Utilize seu potencial 01

Utilize seu potencial 01

“Criou Deus, pois, o homem, à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra…” (Gn. 1.27-28.)

Ao criar o primeiro homem e a primeira mulher, Deus começou o que não podíamos começar. Cabe, porém, a nós a continuidade expressa na ordem: “Crescei e multiplicai-vos”. Além da questão reprodutiva, presente no texto, podemos perceber ali princípios permanentes que podem ser aplicados em diversas áreas da nossa vida. Deus determinou um objetivo, uma missão: encher a terra, mas, antes disso, deu a bênção, que incluía o potencial necessário para que o homem pudesse concretizar a vontade divina. Entretanto, se essa capacidade, esse poder, deixasse de ser usado, Adão e Eva ficariam sós, no mesmo lugar, para sempre.

Muitas vezes, assumimos o papel de expectadores, querendo que Deus faça tudo, quando, de fato, o que falta é a nossa parte. Queremos que ele visite os hospitais e os presídios, quando nós é que deveríamos visitar. Queremos a conversão das almas, mas deixamos de evangelizar. Algumas bênçãos que pedimos não são dadas porque elas devem ser fruto do nosso próprio trabalho.

Mesmo que o pecado não acontecesse, o homem precisaria sair do jardim um dia. Ele não seria expulso, nem teria o caminho de volta bloqueado, mas seria necessária sua ida a outros lugares. Afinal, sua autoridade era sobre toda a terra e não apenas sobre o Éden (Gn. 1.28).

O jardim era um lugar de delícias, com todo suprimento, conforto e felicidade. Contudo, havia muito mais a se fazer para que o objetivo fosse cumprido. Qual é o seu paraíso? Muitas pessoas permanecem definitivamente na casa dos pais, na cidade natal etc. Talvez seja necessário sair do jardim, no tempo certo, sob a direção de Deus, para alcançar o mundo. É preciso coragem para sair da zona de conforto, enfrentando novos desafios e dificuldades. Existe um grande potencial em cada um de nós que precisa ser utilizado. Não podemos desperdiçá-lo.

A ordem divina, que lemos em Gênesis 1, expressa também o limite da autoridade humana. Deus não nos deu o domínio do universo, mas da terra. No entanto, nós estabelecemos limites muito mais restritos para a nossa ação. Foi o que aconteceu com os homens de Sinear, quando decidiram se fixar em uma planície, onde construiriam uma torre. Deus os dispersou para que o processo de conquista da terra continuasse (Gn. 11). Queremos morar no vale, mas Deus quer que subamos às montanhas.

Podemos ir além de onde fomos e fazer muito mais do que já fizemos, porque existe em nós um potencial maior do que possamos imaginar. A proposta bíblica para nós é: plenitude (Rm. 15.29; Ef. 3.19; 4.13; Cl. 2.2). Não podemos nos contentar com menos do que isso no que diz respeito a tudo o que possa ser feito para a glória de Deus através de nós.

Ao vermos uma lagarta, podemos sentir nojo. Não a valorizamos nem desejamos tocá-la. Contudo, ela tem dentro de si o potencial para se tornar uma linda borboleta.

Uma pequena semente pode ser desprezada, mas tem dentro de si a capacidade para se tornar uma grande árvore e produzir muitos frutos.

O barro espalhado pelo chão é sinônimo de sujeira, mas, nas mãos do oleiro, pode se tornar uma obra de arte caríssima.

Cada um de nós deve se conscientizar da capacidade que Deus nos deu. Precisamos vislumbrar o que ainda podemos ser e fazer. Precisamos sê-lo, enquanto é tempo. Basta olharmos para as grandes realizações da humanidade para termos uma idéia do espantoso potencial do ser humano. Sua inteligência e criatividade sempre superam suas próprias expectativas. Entretanto, é relativamente pequeno o número de pessoas que exploram a fundo suas capacidades. A esmagadora maioria vive como a larva que nunca voou. Lagarta e borboleta não são espécies distintas, assim como os grandes homens da história ou os heróis da Bíblia não são diferentes de nós em termos de capacidade mental (Tg. 5.17). O que acontece é que eles foram além de seus limites aparentes, enquanto a maioria de nós permanece eternamente na mediocridade. Sob o aspecto natural, cada pessoa pode fazer muito mais do que já fez. Precisa acreditar nisso e agir, investindo em si mesmo, trabalhando e crescendo.

Se o homem natural pode fazer tanto, o que dizer do espiritual? Se o potencial humano já é imenso, o que acontecerá se for incrementado pelo potencial divino? Esta é a possibilidade apresentada pelo cristianismo. Deus deseja se manifestar através dos homens. Ele não precisa disso, mas quis nos dar esta honra. Seria como juntar pólvora e fogo. O resultado é uma explosão. No reino de Deus, não podemos fazer nada sem ele, mas, se tivermos a ação do seu Espírito em nós, não haverá limites para as nossas realizações. Deus é “poderoso para fazer tudo, muito mais, abundantemente, além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera” (Ef. 3.20).

Na disputa com os profetas de Baal (1 Rs. 18), Elias construiu um altar e colocou sobre ele o sacrifício. Depois, Deus enviou fogo do céu para consumir o holocausto. Se quisermos fogo divino, precisamos construir o altar. Existe muito que fazer na busca ao Senhor. Ele responderá com poder. O potencial divino trabalha neste mundo junto com o potencial humano. Às vezes, queremos que Deus construa o altar. Ajoelhamos, oramos e esperamos. Queremos ver as pedras saindo do lugar, quando nós é que deveríamos movê-las.

Se tivermos forças para caminhar, não podemos ficar parados. Em qualquer área da nossa vida, o caminho para a excelência é muito longo, mas precisamos dar o próximo passo, sem demora. O tempo passa rapidamente. Um dia, olharemos para trás e faremos um balanço da nossa vida. O que teremos realizado? O tempo é agora. Levantemo-nos para agir, utilizando o potencial que Deus nos deu.

FIQUE NA GRAÇA!!!
Pr. Bruno

Comentários

Douglas Oliveira Rodrigues

Sou jovem, profissional de TI, sei aproximadamente 6 acordes de violão, cristão, adorador, e apaixonado pelo Senhor.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho

%d blogueiros gostam disto: